2015

Estranho te ver na rua, hoje. Depois de tantos anos, ali, sentados, o café forte que ambos sempre gostamos, com essas conversas amenas. Olhei apenas o café, quase. Não quis olhar você. Não agora que não é mais tempo. Não nos olhos.  Tivesse olhado naquela época, talvez fosse diferente. Um certo desconcerto.

Tivesse olhado a foto da roda gigante. Tivesse visto a Ilha do Medo. Tivesse te emprestado A Dama do Cachorrinho. Tivesse cantado qualquer canção mais uma vez desafinadamente ao celular. Tivesse lido juntos A Rainha do Castelo de Ar.  Tivesse esquecido a música cafona que era nossa, ao fim. Tivesse comido aquele fricassè no freezer. Tivesse tomado a Norteña. Tivesse vivido tudo isso. Tivesse sido 2011. Porque agora, não dava mais.

E então cheguei em casa e desconcertada de te ver, tão fora de hora, tão longe do tempo, lembrando da delicadeza que você me estragou tão sem afeto e sem jeito, abri a gaveta. E lá estava ele, onde sempre esteve e eu nem lhe notava mais, quase como parte da desordem engavetada. Tivesse te dado o devedê da Adele, porque coitadinha, ficou aqui, cansada e sozinha, cantando no repeat “Someone like you”.

E olhando, parece-me, que faz um pouco de sentido essa letra. Nem toda. Nem sempre. Pobre Adele. Pobre nós.

Anúncios
Post anterior
Post seguinte
Deixe um comentário

18 Comentários

  1. É… A vida é cheia de “se tivesse”… Infelizmente não dá pra fazer as duas coisas ao mesmo tempo. Muito bacana o post. Parabéns.

    Responder
  2. Lembrar é bom! O ruim é ficar pensando no que poderia ter acontecido e em como poderia ter sido. É isso que dói. E o pior é que estas projeções geralmente são irreais.

    beijo rouge

    Dani

    Responder
  3. vera sousa

     /  07/01/2012

    Quem não se recorda da sua história de amor ..quando se pega, lendo uma história assim… Simplesmente, divino!!! somente um pessoa sensivel, consegue transmitir emoção ..
    Lindo e tocante,o texto.

    Responder
  4. Amanda Souza

     /  07/01/2012

    Que em 2015 não doa. Apenas isso.

    Responder
  5. Luciana

     /  07/01/2012

    Bárbaro Cris !!
    Comecei uma viagem “longa” com os seus dizeres…e que viagem !!
    Viagem…daquelas que o tempo não traz novamente, mas o corpo e Alma insistem em relembrar sempre !!
    ♪♫ ” Sometimes it lasts in love, but sometimes it hurts instead, yeah. ” ♪♫
    *-*

    Responder
  6. Texto bonito, simples, e verdadeiro. Você não enrola. A impressão que dá é que as sensações chegavam, e você logo as transferia para a escrita. Por isso ficou tão legal e gostoso de ser lido.

    Beijo e carinho.

    Responder
  7. Texto bonito, simples, e verdadeiro. Você não enrola. A impressão que dá é que as sensações chegavam, e você logo as transferia para a escrita. Por isso ficou tão legal e gostoso de ser lido.

    Beijo e carinho.

    Responder
  8. Vanda Trentino

     /  07/01/2012

    Ah, Adele, Adele, você a Cristiane e eu como parte da desordem engavetada “Someone like you”. E essa trilha sonora faz parte de nossos roteiros. Adorei Cristiane.

    Responder
  9. Ai minha jacaroa do Nillo eu já tive tanta frustração nessa vida que já fui de Carrie Bradshaw a Serena Van der Woodseen, ate gossip girl que se apaixona por qualquer coisa que se movimente e tenha algo balançando entre as pernas. só não consigo entender a Adelle, que pra mim foi uma menina gordinha e sofredora de bulling. Tadinha.

    Responder
  10. ciprisla

     /  07/01/2012

    Sim, seu texto me fez lembrar de uma história minha mal resolvida. Acho que ainda o amo, mas o sentimento está guardado naquela gaveta, junto com as cartas que um dia escrevi e nunca mandei.

    Responder
  11. adrianamenta

     /  07/01/2012

    Que lindo Cris…as pessoas subestimam o poder que uma atitude um pouco diferente teria sobre uma história em comum…mudaria o “se” para uma outra história pra contar,um caminho feito juntos e tantas coisas, eu bem sei..=O)

    Responder
  12. Arrepiei e me emocionei. Lindo e triste. =/

    Responder
  13. Gosto dos teus textos….Voce é fera. Parabéns

    Responder
  14. Engraçado como os “se” ou “tivesse” fazem tanta diferença, e muitos dizem que o “se” não conta…Eis a prova que “se tivesse” feito diferente muda tudo. Parabéns, ótimo texto.

    Responder
  15. edileneruth

     /  07/01/2012

    Ai, chorei… ='(

    Responder
  16. Samuel Rubens

     /  07/01/2012

    Eu não sou mulher, Sita; eu sou motorista de caminhão e estava no Chile estes dias todos. Um dia vou levar Você p viajar comigo, Amor

    Responder
  17. Marilze

     /  07/01/2012

    WOW

    Responder
  18. Me lembrei de uma pessoa que me marcou tanto, mas tanto, que carrego o nome dele tatuado. Não é pq terminou que vou apagá-lo da minha história. Posso até gostar de outro, mas foi ele quem amei verdadeiramente…

    Responder

Conta pra mim aqui --->

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

  • Enquanto isso, no Twitter:

    • RT @tdbem: reclamar do calor no tuiter é chato mas considerando q humanos já sacrificaram gente pra negociar o clima c deuses fazer drama a… 9 hours ago
    • Ain que delícia ter 86 anos e poder deitar e dormir, sem nenhum remorso. Hahahah 12 hours ago
    • RT @belpetit: Cada vez mais tenho uma certeza na vida: a gente nunca sabe de verdade o que o outro tá passando. Não importa o nível de inti… 12 hours ago
    • RT @sacakura: UTILIDADE PÚBLICA! Segue abaixo um compilado de fotos para desmarcar compromissos: https://t.co/4xXHJl43sO 13 hours ago
  • O que saiu da cabeça por último

  • Tudo que já rolou:

  • Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

    Junte-se a 19 outros seguidores

  • Anúncios
%d blogueiros gostam disto: